Ford e a linha de montagem dos relacionamentos

No início do século XX, o Americano Henry Ford, começou a popularizar o modelo de produção conhecido como “linha de montagem”, ele consistia em um esteira composta de vários postos de trabalho, cada um representava uma etapa na produção de um produto. Henry Ford aplicou este modelo para construção de um dos modelos de carros da sua empresa, o Ford T, na primeira etapa da linha da montagem, eram montadas as rodas, depois o chassis, motor e assim por diante até que o carro esteve terminado e pronto para ser estocado.

Desta forma Ford conseguiu impulsionar sua produção pois fazia com que mais unidades fossem produzidas por dia, devido ao tempo economizado em cada etapa. Este modelo de produção ainda é muito utilizado hoje, inclusive é o modelo padrão empregado na fabricação de componentes eletrônicos na China e em outros países asiáticos.

Quando muitas empresas começaram a utilizar este modelo de produção, se viu que muitas vezes uma etapa ou outra era pulada pelo trabalhadores, fazendo com que muitas peças com defeitos tivessem que ser jogadas fora. Dessa forma que nasceu o controle de qualidade, que tem a função de verificar se todas as etapas estão sendo seguidas, a fim de evitar o desperdício de tempo e dinheiro.

Nos relacionamentos é responsabilidade do casal efetuar este controle de qualidade, para evitar prejuízos, principalmente sentimentais.

Aumenta a cada dia o número de pessoas que se casa cedo, e acredite quando eu digo que não acho isto errado, o que me preocupado é que muitos casais tem pulado etapas importantes de um relacionamento. Por exemplo, ás vezes são necessários anos para que se possa conhecer de verdade alguém, e isso está intimamente ligado ao sucesso do relacionamento, como você pode dividir, uma casa, uma vida e até mesmo um banheiro com alguém que você não conhece?

E como você pode contar com alguém que você não conhece? Como pode saber se ele ou ela vai estar lá quando você precisar, porque qualquer pessoa sabe que todo relacionamento tem altos e baixos.

No final, eu entendo alguns do motivos que levam as pessoas a se casarem desta forma, o medo de ficar sozinho é um deles, ou a ânsia por sair da casa dos pais e a até mesmo a ilusão de que os problemas que o relacionamento possui sejam resolvidos depois do casamento. Se o seu motivo está entre estes que eu listei, pare um pouco, repense, e se for o caso espere mais um pouco, porque quando um casamento dá errado as marcas chegam a permanecer por anos.

“Se o casamento é uma decisão para vida, não comprometa sua vida tão rápido” – Philippe Carvalho

Anúncios

Hippies, reclamações e Dia dos Namorados

Os anos 60 foram marcados pela mudança da sociedade e pelas idéias de Paz e Amor, trazidos pelas comunidades Hippies. Os hippies viviam em comunidades e faziam uso exagerado de drogas e psicotrópicos pesados, eram conhecidos pela emancipação sexual, a prática de nudismo e a adoção de religiões como budismo e o hinduísmo. O movimento hippie não deu certo, apesar de ter tido grande participação nos anos 60 e 70 ele terminou com a chegada dos anos 80. Mas porque será que ele terminou? As idéias não eram fortes o suficiente? As pessoas não se convenceram? Não, ele deu errado pois não se vinculava a realidade.

O movimento Hippie não deu certo pois não visava tentar mudar a sociedade, mas sim ignorá-la, o movimento se fechava em comunidades no interior e se distanciava do mundo. Quantas vezes você já não se distanciou da realidade quando o assunto é o coração?

Hoje é segunda-feira, o dia dos namorados ficou para trás, e no sábado você solteiro estava bravo, irritado e alguns até choraram, pois estavam sozinhos, então vemos aquele movimento no Twitter, no Orkut e Facebook, de pessoas xingando o dia dos namorados, chamando de data comercial. E você sabe por que essa sua reclamação não vai dar em nada? Porque ela está longe da realidade, é muito fácil olhar e dizer: “Maldito seja o dia dos namorados!”, mas o que você fez do dia dos namorados do ano passado para este para mudar seu status? Você investiu em algum relacionamento sério? Você se esforçou para que o seu antigo relacionamento desse certo? Ou simplesmente fez igual a este sábado, e ficou apenas reclamando?

Como eu disse no twitter, eu detesto pessoas pessimistas, o pessimismo é uma postura de quem desistiu de lutar.

Todo anos temos o mesmo movimento de solteiros revoltados, no ano passado eu lembrei que postei que um amigo meu escreveu no Nick do MSN: “F*** O dia dos namorados!”, e como eu disse no ano passado: “Os judeus não comemoram o Natal, e nem por isso você vê eles dizendo: F*** o Papai Noel!”.

Então se você passou o sábado reclamando, perdeu uma ótima oportunidade de sair e conhecer alguém, não sinta raiva do dia dos namorados, e de quem namora, lembre-se que ano que vem pode ser você a passar esse dia com alguém, trabalhe para mudar o seu status de solteiro, se tiver problemas, me mande um e-mail, eu tenho sempre alguém para apresentar.

“Sentir raiva da felicidade de alguém é a postura de quem sente raiva de si mesmo e não consegue mudar” – Philippe Carvalho

Série “Antigos Pensamentos” – 22/06/2009 – Tipo usar cachecol

Eu me lembro de quando eu comprei um cachecol, me lembro da sensação de estar quentinho pela manhã enquando ia pegar o ônibus para o trabalho e via todas aquelas pessoas com frio e eu me sentindo quentinho embaixo do meu cachecol, mas isso mudou, hoje é moda você sair  e usar um cachecol branco, roxo, rosa ou até aqueles que parecem um lenço daqueles utilizados por algumas milícias do oriente médio, e isso me faz sentir como se aquele sentimento de calor que eu achava que era único se tornasse uma coisa comum e banal.

Assim como falar “Eu te amo”, hoje virou uma moda ridícula falar “Eu te amo”, casais que não se conhecem nem a um mês já escrevem eu te amo no Orkut, Msn, Hi5, Facebook e agora também no Twitter. Gente amar é um sentimento complexo e não é algo adquirido em um mês de relacionamento, ás vezes nem em anos de relacionamento, amar é algo além de carinho, beijos e abraços, amar é muitas vezes colocar o outra a nossa frente, muitas vezes abrir mão do nosso orgulho, porque isso vai fazer a outra pessoa feliz. Meus caros amantes, amor não é só carinho, não é paixão, não é só tesão, é um pouco disso tudo e é muito mais que isso tudo, apenas aqueles que já amaram de verdade e já provaram que amavam de verdade, e eu quando digo provar, não digo provar para os outros, eu falo de provar para si mesmo, eu já chorei por amor, já ri por amor, já cheguei até a ficar feliz porque a pessoa que eu amava estava feliz com outra pessoa.

Amar não é apenas dizer “Eu te amo”, é sentir isso em toda a sua extensão e força, pensem comigo, você vai saber que está amando quando não for mais necessário dizer isso para a pessoa ao seu lado, quando ela ou ele simplesmente te olhar e souber que é amado, quando suas ações provarem isso… O Clube dos Românticos Assumidos agradece por você não desperdiçar “eu te amo”, como se fosse um bom dia, ou como se fosse um oi. Eu sei que muita gente irá dizer: “ Você não está aqui para saber como eu me sinto”, fato! Eu não estou e provavelmente só você vai saber a extensão desse sentimento que tem guardado aí dentro, mas tente se lembrar que amar é algo maior, bem maior do que hoje se pinta por aí.

Eu sei que este post combina mais com frio, mas eu não poderia esperar até junho para falar que amar é uma coisa única.

“Olhe para uma pessoa com amor e se isso for verdade ela saberá que é amada” – Philippe Carvalho