Ditadores Sentimentais

Muammar Abu Minyar al-Gaddafi nasce em Surt, em 7 de junho de 1942 e morreu em 20 de outubro de 2011. Em 1969 durante o governo de Idris I, tropas revolucionárias compostas de diversos coronéis, comandados por Mahmud Sulayman al-Maghiri invadiram Tripoli, capital da Líbia, e forçaram o rei a renunciar.

Com a queda do rei Idris I, Mahmud sai de cena e em seu lugar assume como regente da nação o Coronel Gaddafi, ele declara ilegais bebidas alcoolicas e jogos de azar e revoga a constituição de 1951, publicando uma nova constituição baseada em suas ideologias politícas. Para se manter no poder, Gaddafi além de efetuar prisões e execuções, ainda patrocinava grupos terroristas anti-americanos e anti-semitas.

Como caracteristíca principal em seus discursos Gaddafi antes de sua queda, ele falava que tinha certeza que era amado por seu povo, apesar de muitos líbios o considerarem um ditador sem escrúpulos.

Ditadores são homens que tomam todo o poder de decisão para si, e podem acreditar existem pessoas assim nos relacionamentos também.

Ditadores sentimentais, são comuns na maior parte dos relacionamentos, eles tomam o poder de forma silenciosa, começam aos poucos e quando se vê estão tomando todas as decisões sem consultar a outra parte, decidem para onde sair, quando e até como a outra pessoa deve agir e se vestir.

O ditador sentimental acredita estar fazendo o que é melhor para ambas as partes, na cabeça dele ou dela, alguém tem que assumir a responsabilidade de conduzir o relacionamento.

O problema é que este tipo de comportamento egoísta é mais destrutivo do que construtivo. Ninguém gosta de receber ordens, principalmente de alguém que deveria dividir igualmente as responsabilidades do relacionamento com você. O parceiro começa a se sentir oprimido no relacionamento, sem poder tomar alguma decisão por conta próprio sem começar uma guerra civil. E quando a situação se torna insustentável ou quando o amor próprio fala mais alto, o ditador é deposto mais rápido do que assumiu o poder.

Por isso procure sempre saber a opinião do outro, não só para dividir a responsabilidade, mas para mostrar que os sentimentos dela também são importantes.

“Em um relacionamento o poder de decisão nunca deve ser mais importante do que o sentimento entre ambos” – Philippe Carvalho